Regras de Qualidade da ABNT para Salões de Beleza

Regras de qualidade da ABNT para salões de beleza

Regras de Qualidade da ABNT para Salões de Beleza

São mais de 600 mil salões de beleza no Brasil, quase meio milhão de Micro Empreendedores Individuais (MEI) – e a competitividade tem feito com que cada vez mais sejam incorporados serviços e agregados mais valores para conquistar o público-alvo.

Com isso, o próprio conceito de salão de beleza tem se modificado, passando a abranger também a questão da saúde além da questão estética.

O cenário promissor, no qual a estimativa é que sejam gastos cerca de R$ 50 milhões com produtos de beleza em 2015, chamou a atenção da Associação Brasileira de Normas Técnicas, a ABNT, que pretende implantar um novo modelo de serviço e atendimento.

Equipamentos, instalações e equipes devem seguir determinados requisitos que visam as boas práticas na prestação dos serviços e qualificação de pessoas, de forma a aumentar a sustentabilidade e a competitividade.

Dessa forma estão sendo montadas as regras de qualidade da ABNT para salões de beleza, cuja primeira norma técnica para o segmento foi lançada em 2014, a ABNT NBR 16283:2014.

Na Prática, O Que Isso Significa?

Na prática significa mais conforto para o consumidor que, por exemplo, não consegue entender a diferença entre escova de diamante ou inteligente, se a pontinha branca na unha é espanhola ou francesinha e qualquer outro nome exótico que por vezes descreve o mesmo produto, mas faz parecer que é novidade.

A uniformização dos termos, ou seja, a nomenclatura própria dos procedimentos estéticos, no entanto, é apenas um dos aspectos que devem ser seguidos pelos empreendedores da beleza.

Termos, serviços prestados e empreendimentos deverão todos estar padronizados.

Apesar de já estar em vigor, a padronização ainda não é obrigatória, mas será e significará que em qualquer lugar do país o profissional será chamado da mesma forma, assim como o cliente receberá o mesmo serviço, com um padrão mínimo de qualidade estabelecido pela normatização.

Por outro lado, os salões deverão ser adequados a padrões que visam facilitar o entendimento entre profissionais e clientes sobre os procedimentos que serão realizados de forma que o cliente tenha mais segurança de que o que procura é o que o salão está apto a oferecer.

A dica, portanto, é que os salões comecem a fazer a adequação às regras da ABNT enquanto ainda não há fiscalização.

O Que Diz a Regra da ABNT

Além de várias entidades ligadas ao mercado da beleza, a produção da regra contou também com pesquisa popular e consulta a associações e profissionais na área. Conheça algumas definições da norma:

Coloração Permanente

“Procedimento de coloração dos cabelos por meio de combinações, composições e neutralizações de cores e contrastes, por meio de pigmentos naturais ou sintéticos, podendo produzir clareamento.”

Coloração Semipermanente (tonalização) 

“Procedimento de tonalização temporária dos cabelos por meio de combinações, composições e neutralizações de cores e contrastes, por meio de pigmentos naturais ou sintéticos.”

Escova Progressiva 

“Procedimento para deixar os cabelos lisos utilizando produtos que possuem, em sua composição, substâncias ativas com a função de alisar temporariamente.

Durante a aplicação do produto, é utilizada uma fonte de calor, como secador de cabelo e/ou prancha (piastra). O resultado obtido pela escova progressiva é temporário, permitindo que os fios alisados geralmente voltem ao formato original.

É necessário verificar se as substâncias utilizadas são permitidas pela Anvisa.”

Manicure 

“Procedimento que pode incluir limpeza, remoção parcial de cutículas e esmaltação das unhas das mãos.”

Pedicure 

“Procedimento que pode incluir limpeza, remoção parcial de cutículas e esmaltação das unhas dos pés. Os serviços de podologia – onocriptose (unha encravada), tratamento de doenças, remoção de calosidades etc. – não estão incluídos no serviço.”

Design de Unhas 

“Procedimento para alongar, reconstruir e decorar as unhas das mãos e dos pés. É necessário verificar se as substâncias ativas utilizadas são permitidas pela Anvisa.”

Embelezamento do Olhar

“Procedimento que visa estilizar as sobrancelhas e os cílios, por meio da remoção de fios ou coloração dos cílios.”

O Profissional

De acordo com a norma da ABNT, para que uma pessoa possa ser cabeleireiro ela deverá ter no mínimo o segundo grau completo.

A ideia da associação é que tanto salões pequenos quanto grandes estejam em pé de igualdade em termos de serviço desde que seguidos os procedimentos técnicos determinados.

A Comissão de Estudos de Salão de Beleza da ABNT é coordenada pelo Sebrae Nacional atuando na normalização de processos, produtos, matérias-primas e serviços.

Participam ainda do acompanhamento à produção das regras a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), a Associação Brasileira dos Salões de Beleza (ABSB), o Sindicato dos Institutos de Beleza e Cabeleireiros de Senhoras do Rio de Janeiro (Sinbel), e o Sindicato dos Salões de Barbeiros, Cabeleireiros, Institutos de Beleza e Similares no Estado do Rio Grande do Sul (Sinca).

E você, o que acha da nova regra da ABNT para os salões de beleza?

Post a Comment