Como evitar conflito entre a família e o negócio

Como evitar conflito entre a família e o negócio

Tempo de leitura: 4 minutos

 

A grande maioria das empresas que atuam no mercado de beleza são empresas familiares, o que exige ainda mais atenção em relação a forma de gerir o negócio tanto para maximizar o resultado quanto para manter a saúde dos relacionamentos.  

 

Isso devido ao fato de que em um empreendimento familiar coexistem dois sistemas distintos – a empresa e a família, ou seja, um sistema social de grande complexidade já que são duas organizações sociais que por si só já são complexas, há a superposição de um sistema estruturado em princípios econômicos racionais e um sistema organizado e guiado pelas emoções, razão e emoção convivem no ambiente profissional em um espaço comum que une família e negócios.

   

Após todo esse tempo, aprendi que apesar da importância de se trabalhar aspectos como formulação de estratégia, definição de processo, orçamento financeiro, eles são apenas uma parte da engrenagem que faz a roda girar, é preciso estar atento a outros fatores, uma vez que esses aspectos são profundamente afetados pelas necessidades de afeto da família, por isso muitas vezes o relacionamento é predominantemente emocional, onde não há apenas interesse profissional e as expectativas são influenciadas por laços afetivos. Com base em minha experiência, para tornar a empresa familiar mais eficiente, diminuir atritos no ambiente e otimizar o uso de seus recursos, ao mesmo tempo em que se fortalece as relações, sugiro que você adote os seguintes princípios:

   

 

1. Defina claramente os papéis – quem será responsável “pelo que” e com que autonomia. Às vezes esse ponto não é tão claro, pelo fato de a empresa ter começado com uma pessoa e a medida que o negócio vai apresentando um bom resultado um outro membro da família acaba entrando na empresa para “ajudar” o negócio. 

 

Como as coisas vão sendo levadas sem uma formalização ou definição clara de responsabilidades, não demora muito e ambos estão cuidando das mesmas coisas, e aí ocorre de duas uma: ou o retrabalho passa a ser a norma, levando inclusive a discussões sobre divergências ou ninguém acaba fazendo aquilo que apenas um deveria ser responsável.

      

2. Mantenha uma linha de comunicação aberta clara – um dos agravantes dos problemas nas empresas familiares e que os membros da empresa evitam o conflito, até um determinado momento que coisa fica insuportável, e a conversa que deveria se dar apenas na esfera profissional acaba sendo afetada por questões emocionais, trazendo à tona problemas que não estão relacionados ao negócio.  

 

Por isso, quando algo ocorrer fora dos padrões definidos ou do que foi combinado, o melhor é tratar o assunto imediatamente, e concentrar a conversa na esfera do negócio, procurando ser o mais claro possível na colocação das palavras e manter o foco sobre o assunto específico, motivo da divergência.

      

3. Defina os limites de ganho – Importante definir desde o início a forma de ganho, se um dos sócios é administrador o pró-labore deve ser estabelecido com base na capacidade de pagamento pelo caixa da empresa e/ou salário definido pela atividade desenvolvida. Já vi acontecer de negócios promissores serem inviabilizados pela forma com que os familiares misturam despesas pessoais com despesas do negócio e vice-versa, tirando recursos da empresa para resolver questões particulares, ou estabelecer salários para membros da família acima da capacidade do caixa da empresa.

 

Muitas vezes, em sua grande maioria na verdade, o empreendedor precisa inicialmente fazer certo sacrifício em prol do negócio, tirar recursos da empresa para manter um padrão de vida acima do possível é uma das principais causas que inviabilizam o negócio familiar. Desde do início, é importante entender e separar qual deve ser o ganho com o qual cada um deverá realizar suas despesas pessoais.

 

4. Tenha políticas claras em relação aos membros da família – Esse é ponto extremamente delicado, e tem a ver com processo de hierarquia, quando uma empresa familiar começa a dar certo, pode haver certa pressão de outros familiares, para que outros membros da família façam parte do quadro da empresa. Porém, dependendo da situação a inversão de papéis pode comprometer a estrutura de hierarquia, vou exemplificar para que você possa entender e se preparar, conheço uma empresa familiar que não permite que as esposas dos filhos trabalhem na empresa, justamente para evitar conflitos, o importante aqui é uma política clara.

 

Por outro lado, já atuei em uma empresa onde o pai da proprietária ocupava uma posição na área de operação, e é muito comum que os demais colaboradores esperem mais de um parente em relação a seguir processos e respeitar as regras, o que nem sempre ocorre gerando conflito e dificuldades, já que é um desafio uma filha chamar atenção do pai, sugiro que você se lembre de uma regra que diz: “não contrate quem você não pode demitir”.

 

Alguns podem achar muito duro ou radical, mas antes de contratar um parente pense realmente em como ele irá agregar, estabeleça as regras acima, e se for apenas para ajudar a pessoa, analise se não há outras formas.

      

5. Desenvolva Mentalidade e Hábitos de Empreender – quando a família resolve empreender, precisa antes entender que será necessário adotar uma mentalidade diferente, sobretudo quando se trata de um primeiro negócio, além de novas habilidades e competências, se fortalecer mentalmente para lidar com os desafios diários e com o risco. Fatores que exigem desenvolver maior flexibilidade mental para aprender novos conceitos, rever e desafiar velhas crenças, sobretudo ligadas às áreas financeiras e definir o que é sucesso.  

 

Entenda que será você e sua família quem deve se adaptar às exigências da empresa e não ao contrário, logo um novo conjunto de hábitos serão exigidos, talvez acordar mais cedo, dormir mais tarde, lidar com números ou processos, ter que falar com público, vender, conversar em família sobre dinheiro, objetivos e metas. Uma coisa é certa um negócio desafia você a crescer, e crescer nem sempre é um processo confortável, aliás muito dificilmente irá ocorrer dentro da sua zona de conforto ou da sua família.

     

 

Para finalizar, talvez não seja simples implementar todas essas ações inicialmente, recomendo que de todos os itens acima o primordial é que inicie com uma comunicação aberta e clara, não leve para casa assuntos mal resolvidos na empresa, e não permita que assuntos mal resolvidos na relação afete o futuro do seu sonho da sua empresa, de toda forma lembre-se que o objetivo de uma empresa é o legado que deve ser unir a família, já que nenhum sucesso empresarial irá valer a pena se for às custas do fracasso da família.

   

 

Se você tiver dúvidas com relação a esses e outros pontos do seu negócio ou da sua carreira, ou quiser sugerir assuntos que você gostaria que fosse abordado me escreva. Se você gostou, acompanhe nossos canais, no meu site, ou no meu canal do YouTube Coaching e Gestão, lá você pode encontrar outros materiais que espero possam contribuir para o seu sucesso.

 

Reflita sobre essa ideia!

 

Abraço,

 

Vagner Torres